segunda-feira, 6 de julho de 2015

Quote of the day #07



‎"Não visite o passado com tanta frequência. Lembre-se que você tem casa e ela fica no presente."

Thiago Grulha

sexta-feira, 5 de junho de 2015

Criança tola

Como estava o clima naquela manhã? Não estava quente, mas deixei o suéter de lado.
Não estava chovendo, mas calcei minhas galochas. Não olhei para o céu, mas sei que pouco se podia dizer de como seria o dia!
Mas sei muito bem como estava o clima no meu interior.

Cheio! Não, não estava cheio de alegria! Muito menos de amor, ou paz...
Mas cheio de raiva. O que é raiva? Não sei explicar, mas sei que era ela que estava em meu coração.
As últimas semanas foram decisivas para que a raiva crescesse mais e mais, desenfreadamente.
Por quê?

Um sorriso sem motivo, mas cheio de luz. Sabe quando alguém sorri e contagia todos ao seu redor? Pois é, foi isso! Mas algo me dizia que aquele sorriso não era pra mim, mas sim de mim!

E o mesmo se repetiu por mais dois dias seguidos.

 Mas não sou boba e hoje mudei de caminho! Hoje vai ser diferente, não terei de ver aquela criança e muito menos seu sorriso, ai então essa raiva que há dentro mim certamente passará!

Crianças, quem as autorizou a sorrir?



quarta-feira, 3 de junho de 2015

Ex-drogado



Tive a oportunidade de presenciar um rapaz no ônibus pedindo doações para uma clinica de recuperação para drogados.
Admito que ajudei.
Ajudei, pois admiro a coragem dele.
Eu não teria coragem de me expor às 7 da manhã em um ônibus cheio, pedindo doações e ainda contando sobre meu passado obscuro.
Teria vergonha. Vergonha de reconhecer meu erro. Vergonha dos olhares (ou de ser ignorada por seus olhos), vergonha dos julgamentos, afinal, ex-drogado pode ter recaída.
Admiro a coragem dele e oro pra que ele se mantenha firme na recuperação e que através do seu testemunho outros sejam alcançados.
Você pode ajudar também, sempre tem uma instituição pedindo donativos, e fiquei com o contato deles, se tiver interesse me mande um e-mail.


Fazer o bem, sem olhar a quem soa muito bem!

segunda-feira, 1 de junho de 2015

Mergulhados, imersos nas águas

Batismo com (no) Espirito Santo.

Pergunte na sua igreja quem já foi batizado e verá que poucas mãos se levantarão.

Por quê?

Porque a grande parte das pessoas acredita (e foi assim ensinada) que a evidencia do batismo é o falar em línguas. Logo, quem não fala em línguas não foi batizado, não tem o Espirito Santo dentro de si.

Confesso que por anos pensei da mesma maneira, fato que me constrangia, pois aquele que não fala em línguas é taxado como alguém que busca pouco, ora pouca, clama pouco, e só a alguns meses consegui compreender o engano por acreditar em tudo que pregam sem antes fazer como faziam os Bereanos, conferindo a fundo, pesquisando a palavra.

Deixo claro que não darei aqui uma aula sobre o assunto, se você tiver interesse me mande seu e-mail que lhe encaminho a aula que tive em detalhes.
A grande verdade é que todos que aceitaram Cristo, que o receberam como seu único e suficiente salvador também receberam o Espirito Santo.

Em quem também vós estais, depois que ouvistes a palavra da verdade, o evangelho da vossa salvação; e, tendo nele também crido, fostes selados com o Espírito Santo da promessa; O qual é o penhor da nossa herança, para redenção da possessão adquirida, para louvor da sua glória.
Efésios 1:13,14

O falar em línguas trata-se de 1 das evidencias do batismo.
A transformação de vida, de conduta é evidencia de ser ou não habitação do Espirito Santo.
Receber o Espírito Santo e ser por ele habitado ocorre no momento da salvação, agora , estar cheio do Espírito Santo é um processo diário.
O falar em línguas deve sim ser buscado e almejado, o que não podemos é julgar que o tem ou não.





sexta-feira, 29 de maio de 2015

A morte discou o número errado

Um lindo Pôr do Sol


Estava sentada apreciando o pôr do sol.
As cores se misturavam lhe deixando sem ar, quando seu telefone tocou.
Estendeu a mão e com pouca vontade se fez ouvinte.
Do outro lado a pessoa estava agitada e com a voz entrecortada anunciou que a sua mãe havia falecido.
Perdeu o chão. Perdeu os sentidos.
Fazia uma semana que não ligava para sua mãe, mas pelo que sabia, a saúde dela não estava tão ruim.
Pouco importava aquelas cores que mais parecia uma peça sendo pregada à ela.
A imagem de sua mãe com seus braços sempre estendidos não saia da sua mente.
E aqueles pássaros cantando... queria que se calassem.
Aquele aroma das flores que antes lhe alegravam a alma agora tinham cheiro de morte.
Do outro lado uma voz o trouxe de volta a realidade.
A pessoa dava instruções sobre as providencias que deviam ser tomadas, mas ao dizer o nome da sua mãe ela teve um sobressalto.
Aquele não era o nome da sua mãe.
Ao dizer o numero do seu telefone a pessoa do outro lado pediu desculpas.
Havia discado o numero errado.
Que bela peça lhe foi pregada.
Respirou fundo e voltou para o seu belo pôr do sol.
Como tudo estava perfeito e lindo naquele dia.